Orgão Oficial

RelatosCBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

VERSÃO EM E-BOOK


Português

Capa

Ano 2018 Volume 3
Julho / Setembro

Relato de Caso

Hérnia de Amyand à esquerda: abordagem e propedêutica

Left Amyand hernia: approach and propaedeutic

Carlos Magno Queiroz da Cunha; José Walter Feitosa Gomes, ACBC-CE; Moisés Francisco da Cruz Neto; Octavio Luis Alves da Silva; Bruno Tigre de Arruda Leitão, ACBC-CE; Paulo Marcos Lopes

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1904

Resumo PDF PT

Descrita pela primeira vez em 1735 e caracterizada pelo achado do apêndice cecal dentro do saco herniário, a Hérnia de Amyand é rara, possuindo incidência de 0,5% a 1% e 0,1% se ocorrer apendicite concomitantemente. O diagnóstico desta afecção é na maioria das vezes realizado no intraoperatório e a sua classificação e manejo são descritas na literatura dependendo do grau de acometimento do apêndice. Apresentamos aqui relato de caso de paciente masculino de 44 anos que iria se submeter a correção eletiva de hernioplastia inguinal a esquerda, porém um dia antes da data da cirurgia apresentou dor escrotal e encarceramento da referida hérnia, onde durante a cirurgia foi identificado apêndice cecal inflamado dentro do saco herniário.


Palavras-chave: Hérnia Inguinal. Apendicite. Herniorrafia. Doenças Raras.

Relato de caso de três pacientes homens com hérnia femoral associada a complicações

Case report of three men patients with femoral hernia in men associated with complications

Nubyhelia Maria Negreiro Carvalho; Ana Clemilda Marques Ximenes; Gilberto Loiola de Alencar Dantas

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1905

Resumo PDF PT

Hérnias femorais são protrusões em falhas da parede abdominal que se pronunciam pelo canal femoral. Apesar de menos comuns que as hérnias inguinais, apresentam maior risco de complicações. São mais comuns no sexo feminino, o que pode estar relacionado à gestação. O diagnóstico é dado pela apresentação clínica, mas em muitos casos pode ser dificultado ou ainda, ser confundido com hérnia inguinal. O tratamento é cirúrgico e deve ser realizado de forma eletiva o mais rápido possível após o diagnóstico. Pacientes idosos e, principalmente, portadores de comorbidades, apresentam maior risco de complicações e morbimortalidade decorrentes do procedimento cirúrgico, sobretudo quando há necessidade de abordagem de emergência, o qual não deve ser retardado. Apresentamos neste artigo a descrição de três casos de pacientes idosos, do sexo masculino, que foram admitidos na emergência cirúrgica com complicações de hérnias femorais e necessitaram de abordagem cirúrgica de urgência, em que um dos pacientes necessitou de reabordagem por complicação cirúrgica e outro foi a óbito por complicações cardiovasculares pós-operatórias.


Palavras-chave: Hérnia Femoral. Emergências. Complicações Pós-Operatórias. Homens.

Diverticulose jejunal complicada

Complicated jejunal diverticulosis

Camila Horr Zaki, AsCBC-RS; João Victor Vecchi Ferri; Tuane Colles; Mário Sérgio Trindade Borges da Costa

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1910

Resumo PDF PT

Divertículo jejunal é uma patologia pouco frequente na qual a maior parte dos acometidos são idosos e apresentam uma sintomatologia pouco específica. Pode ser achado incidental em exames de imagem ou ocasionalmente complicar com diverticulite aguda, perfuração, sangramento ou obstrução. Deve ser lembrado em diagnóstico diferencial de dor abdominal. Os exames de imagens ajudam no diagnóstico e auxiliam na decisão de condutas.


Palavras-chave: Divertículo. Jejuno. Doenças do Jejuno. Complicações.

Neurofibroma plexiforme em mediastino posterior

Plexiform neurofibroma in posterior mediastinun

Fábio Castelo Branco Girão, AsCBC-RO; Everton Gentil Beltrame; Marcos Alberto Mendonça Veiga, TCBC-RO; Renata Mariela Carlotto Lima, AsCBC-RO; Valmor Artur Patrício Júnior

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1913

Resumo PDF PT

Os Tumores Neurogênicos Mediastinais localizam-se no mediastino posterior ou sulco paravertebral, compreendem 20% das neoplasias mediastinais e têm origem nos nervos intercostais, simpáticos ou vago. A maioria está associada à Doença de Von Recklinghausen, Neurofibromatose Tipo 1 (NF1) causada por mutação genética no gene NF1 no cromossomo 17q.11.2 inibindo a neurofibromina, um supressor tumoral, propiciando a formação de tumores de origem neurológica. O diagnóstico é clínico baseado nos critérios de National Institute of Health (NIH). O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico nos casos sintomáticos com risco de desenvolvimento de malignidade. O prognóstico é variável a depender do estágio da doença.


Palavras-chave: Neurofibroma. Síndromes Neurocutâneas. Neurofibromatose. Neurofibroma Plexiforme. Mediastino.

Teratoma imaturo ovariano em jovem de 12 anos

Immature ovarian teratoma in a young 12 years old

Aline Boechat de Oliveira; Camille Rodrigues Guedes; Claudio Sérgio Batista, TCBC-RJ

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1918

Resumo PDF PT

Os teratomas imaturos ovarianos são tumores malignos raros, geralmente sólidos, formados por tecidos indiferenciados dos três folhetos germinativos. São preferencialmente unilaterais e é comum no ovário contralateral encontrarmos teratoma benigno. Surgem em mulheres jovens, com faixa etária média de 18 anos. Paciente de 12 anos de idade com teratoma imaturo gigante em ovário direito que além do seu tamanho infrequente, apresentou-se em uma faixa etária precoce. Como conduta diagnóstica e terapêutica foi realizada laparotomia exploradora com exérese do tumor ovariano e ooforectomia a direita, porém com preservação da trompa ipsilateral. A idade da paciente, jovem e sem prole constituída, foi desafiador para definir a conduta.


Palavras-chave: Neoplasias Ovarianas. Teratoma. Células Germinativas. Procedimentos Cirúrgicos Operatórios. Criança.

Melanoma ovariano como etiologia de abdômen agudo

Ovarian melanoma as acute abdomen etiology

Cláudio Franco do Amaral Kfouri, AcCBC-SP; Ana Luísa Ferreira-e-Silva; Andressa Ferreira-e-Silva; Maria Clara Ferreira Nonato Romania; Vinícius Cabral Fernandes; José Ricardo Fraçon Viana Alves; Luciana Borges Lombardi; Wellington Lombardi

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1921

Resumo PDF PT

O melanoma de ovário é uma neoplasia rara e letal, sendo a maioria dos casos de origem metastática. Possui a capacidade de desenvolver diferentes padrões morfológicos e, quando acomete as mucosas, torna-se de difícil diagnóstico, o que explica a ausência de tumores primários em muitos casos. Acomete principalmente menacmes. Neste artigo será apresentado um caso incomum de melanoma maligno unilateral de ovário, sem evidência clínica de tumor primário em uma paciente em menopausa.


Palavras-chave: Melanoma. Abdome Agudo. Neoplasias Ovarianas.

Linfoma primário de tecido linfoide associado à mucosa (MALT) da laringe com desfecho satisfatório após tratamento utilizando radioterapia como método definitivo

Primary mucosa-associated lymphoid tissue (MALT) lymphoma of the larynx with successful outcomes using radiotherapy as definitive agent of treatment

Daniel Hardy Melo, TCBC-CE; Igor Moreira Veras; Antonio Lucas Albuquerque de Sabóia; Sebastião Carlos de Sousa Oliveira

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1928

Resumo PDF PT

O linfoma do Tecido Linfoide Associado à Mucosa (MALT, na sigla em inglês) é uma neoplasia de células B da zona marginal extranodal é um subtipo de linfoma não-Hodgkin. O linfoma MALT primário de laringe é uma condição extremamente rara. Os pacientes apresentam sintomas como disfonia, estridor, dispneia e rouquidão progressiva. Apresentamos um caso de um paciente com linfoma primário MALT na laringe, no qual resultados satisfatórios foram observados após a radioterapia como agente definitivo para o tratamento.


Palavras-chave: Linfoma não Hodgkin. Laringe. Neoplasias Laríngeas.

Carcinoma mucoepidermoide brônquico tratado por videotoracoscopia

Bronchial mucoepidermoid carcinoma treated by video-assisted thoracic surgery

Fernanda de Souza Henrique; Fernando Luiz Westphal, TCBC-AM; José Correia Lima Netto; Luiz Carlos de Lima

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1965

Resumo PDF PT

O carcinoma mucoepidermoide é uma causa rara de neoplasia maligna pulmonar primária em brônquio. Relatamos o caso de um paciente do sexo masculino, de 13 anos, com história patológica pregressa de pneumonias recorrentes que após investigação diagnóstica por tomografia computadorizada e broncoscopia, foi submetido à bilobectomia inferior e média direita videoassistida.


Palavras-chave: Neoplasias Pulmonares. Pneumonectomia. Carcinoma Mucoepidermoide. Cirurgia Torácica Vídeoassistida.

Acesso cervical para exérese de cisto broncogênico em mediastino anterior em criança

Cervical access to remove bronchogenic cyst in the anterior mediastinum in a pediatric patient

Letícia Alves Antunes; Carolina Talini; Bruna Cecília Neves de Carvalho; Weliton Durães; Renato Neves Noronha; Otávio Jana Rodrigues, ACBC-MG

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1966

Resumo PDF PT

Os cistos broncogênicos são formados a partir do desenvolvimento anormal do intestino anterior, caracterizados por conter tecidos normalmente encontrados na traqueia e brônquios. São alterações raras com baixa prevalência e que podem produzir efeitos compressivos sobre a via área, dependendo de sua localização e tamanho. Este relato trata de um paciente de dois anos e seis meses de idade com estridor respiratório desde os seis meses de vida, que recebeu tardiamente o diagnóstico de cisto broncogênico em mediastino anterior. A lesão era extensa (4,8 x 4,5 x 4,5cm), comprimindo e desviando a traqueia, porém sua ressecção completa foi possível apenas por meio da cervicotomia, não sendo necessário acesso torácico. A anatomia patológica confirmou o diagnóstico. Apesar de ser uma anomalia rara, na presença de sintomas respiratórios em pacientes lactentes, o diagnóstico de cisto broncogênico deve sempre ser aventado, possibilitando o tratamento cirúrgico precoce e evitando a morbidade associada a esta patologia.


Palavras-chave: Cisto Mediastínico. Doenças do Mediastino. Cirurgia. Criança.

Úlcera de Marjolin gigante

Giant Marjolin's ulcer

Camila Horr Zaki, AsCBC-RS; João Victor Vecchi Ferri; Oly Campos Corleta, TCBC-RS; Luiz Roberto Rigo Wendt

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1977

Resumo PDF PT

A úlcera de Marjolin é um termo usado para descrever um tipo raro de carcinoma de células escamosas que se desenvolve em locais de cicatrizes anteriores. A transformação maligna é demorada e pode ter um tempo de latência de décadas. Inicialmente, o tumor pode se apresentar como uma úlcera e pode desenvolver nódulos, sangramento ou outros comemorativos. Este tipo de tumor é tipicamente agressivo e o risco de recidiva ou metástase após o tratamento é de aproximadamente 20 a 30%. O tratamento geralmente se concentra na ressecção cirúrgica. O objetivo deste estudo é relatar um caso incomum de carcinoma espinocelular gigante em uma região de cicatriz anterior nas costas com metástase óssea e linfonodal.


Palavras-chave: Carcinoma de Células Escamosas. Anormalidades da Pele. Cicatriz. Invasividade Neoplásica. Metástase Neoplásica.

Apendicite crônica por ingestão de projétil de chumbo: uma causa inusitada de dor abdominal

Chronic appendicitis due to ingestion of lead projectile: an unusual cause of abdominal pain

Carlos Magno Queiroz da Cunha; Rafael da Silva Cunha; Giovanni Troiani Neto; Antonio Gláucio de Sousa Nóbrega, ACBC-CE; Paulo Marcos Lopes

Relatos Casos Cir. 2018;(3):e1980

Resumo PDF PT

A apendicite crônica é uma entidade rara, além de ser repleta de controvérsias até os dias atuais. Representa 5% das apendicectomias realizadas, e a maioria dos pacientes possui sintomas atípicos. Relatamos caso de mulher de 19 anos, com dor abdominal crônica na fossa ilíaca direita e febre, onde os exames radiológicos demonstravam corpo estranho de densidade metálica na projeção do íleo terminal, porém com colonoscopia não elucidativa. A paciente foi submetida à laparotomia, com achado de projétil de chumbo impactado na luz apendicular. Reconhecemos no caso uma oportunidade para a discussão do diagnóstico diferencial da dor abdominal, já que a demora na elucidação e no tratamento da apendicite crônica pode levar a um desfecho trágico.


Palavras-chave: Apendicite. Dor abdominal. Abdome Agudo. Armas. Reação a Corpo Estranho.

Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões